quinta-feira, outubro 31, 2013

MUNDO: A história de Fusako Shigenobu, a mulher-samurai vermelha

Por Angela Sztormowsky


Fusako Shigenobu, a "mulher-samurai" comunista

Muitos se perguntam se existe a figura da "mulher-samurai". Elas eram chamadas de "onna-bugeisha", conhecidas por participar de batalhas com seus colegas do sexo masculino. No Japão, a figura do samurai sempre fez parte do folclore nacional como um exemplo de guerreiro que luta pela justiça, uma versão nipônica do cavaleiro europeu. Diversos movimentos políticos fizeram de tais guerreiros um símbolo, herança do romantismo nacionalista da literatura. O Japão dos tempos atuais conhece uma famosa e moderna onna-bugeisha, que ergueu sua kataná não para combater outros feudos, mas todo um império capitalista, Fusako Shigenobu.

Fusaku Shigenobu fundou o Exército Vermelho Japonês, uma organização revolucionária de inspiração maoísta famoso por várias ações no Japão, contra o Império(isto é, a monarquia) e contra o capitalismo. Originalmente ela iniciou sua militância de esquerda na universidade, onde se formou em Economia Política e História. Após a sua formação e militância, ela foi ao Oriente Médio, onde conheceu e se juntou à Frente Popular de Libertação da Palestina. Esta frente foi integrada por vários grupos revolucionários de esquerda do mundo todo, dentre os quais a Fração do Exército Vermelho, da Alemanha Oriental, e pelo combatente internacionalista Ilich Ramirez Sanchéz, popularmente conhecido como "Carlos, o chacal", além de combatentes de outras partes do mundo capitalista, especialmente o Japão. Após algum tempo, entretanto, Fusako fundou o Exército Vermelho Japonês, que tornou-se um grupo independente, tendo a onna-bugeisha vermelha como sua fundadora e antiga líder. O grupo era conhecido também por "Brigada Internacional Anti-Imperialista" e "Frente Democrática Anti-guerra". 


Fusako e sua filha, que contou sua história no documentário "Children of revolution"(Filhos da revolução)

Uma das ações mais famosas do Exército Vermelho Japonês foi o sequestro de um avião civil em 1970, o voo 351 da Japan Airlines. Seus integrantes praticaram a ação usando típicas espadas japonesas katanás e uma bomba. O voo foi desviado para Gimpo, na Coreia do Sul, e após a soltura dos reféns naquele país, foi forçado a ir para a Coreia do Norte, onde seus militantes desceram. 

Em 1973, o Exército Vermelho Japonês(EVJ) sequestrou um avião da Japan Airlines na Holanda e levou-o até a Líbia, onde os passageiros foram liberados, após sua liberação, eles explodiram o avião.

Em 1977, os revolucionários japoneses sequestraram uma avião nipônico sobre a Índia, forçando-o a aterrissar em Bangladesh, exigindo a libertação de 6 membros do grupo presos, conseguindo ainda 6 milhões do governo japonês.

Katana, espada japonesa empregada em ações do Exército Vermelho Japonês

Em 1986, o EVJ empregou tiros de morteiro contra as embaixadas do Japão, Estados Unidos e Canadá em Jakarta, na Indonésia. Em 1987 fizeram o mesmo em Roma, contra as embaixadas britânica e americana.

Em 1988, os maoístas japoneses atacaram um clube recreativo do Exército Americano, matando 5. 

Em 2001, o Exército Vermelho Japonês clamou a autoria dos ataques de 11 de setembro, nos Estados Unidos.

Fusaku Shigenobu foi presa no ano 2000, sentenciada a 20 anos de prisão, em 2006, estando presa até o presente momento. Embora os métodos da "última samurai" do país do sol nascente sejam muito diferentes daqueles pretendidos por Lenin e Mao Tsé Tung, uma vez que utilizam-se do terrorismo, a sua determinação de lutar contra o capitalismo e o Império do Japão, entreposto do imperialismo dos Estados Unidos na Ásia, não podem passar em branco.


Fusako Shigenobu durante a década de 2000

Um comentário:

Vanessa Sayuri disse...

Obrigado pela oportunidade de poder pesquisar sobre o "Exercito Vermelho Do Japão" .Que como todos os "terroristas"" agiram em benefício próprio, em nome do povo e da democracia!