sábado, julho 12, 2014

EDITORIAL: Resposta ao leitor Felipe


Felipe disse:



"Cristiano, eu posso estar enganado, mas você não está achando que a Rússia é o "lado bom" dessa história. Devemos lembrar que a Rússia não é mais a URSS dos tempos de Lenin e Stalin, mas sim um país capitalista imperialista emergente. Eu vejo essa questão na Ucrânia mais como uma conflito entre 2 oligarquias (a pró-UE e a pró-russa)."


Nós respondemos:


Felipe sua análise é bastante superficial e sem qualquer objetividade! Nós aqui não trabalhamos com "lado bom". Lado "bom" e "mau" é para pessoas com baixo intelecto.

O que existe na Rússia é uma ofensiva do imperialismo que por enquanto se limita à Ucrânia, mas é só uma questão de tempo para que esse mesmo imperialismo o faça na Rússia com o objetivo de fragmentar o único país do mundo que tem condições de peitar o imperialismo, além da China, claro.

O fato da Rússia não ser mais a mesma "dos tempos de Lenin e Stalin" não quer dizer que lá não se possa fazer uma oposição ao imperialismo, não quer dizer que lá não haja milhões de pessoas que irão sofrer com a ofensiva do imperialismo, essas pessoas em nada contam para você?

Eu tive a oportunidade de conhecer um operário de Donetsk, ele me falava da situação em seu país, o terror ao qual o seu povo é submetido, impedido de levar uma vida normal, em breve publicarei a entrevista.

Sem a Rússia para parar o imperialismo, quem vai fazê-lo? Você? Fico imaginando você levantando alto cartazes dizendo "Abaixo o imperialismo", e daí alguém na Casa Branca cessa as suas ações por causa da sua cartolina.

Por favor!

8 comentários:

Felipe disse...

Cristiano, o problema é que você só leva em consideração o imperialismo norte-americano. E o imperialismo russo com relação à Ucrânia, você também não leva em conta?

Carlos disse...

Prezado Cristiano,
Publique a entrevista ao operário de Donetsk.
Mas não se engane, Putin não está com os operários de Donetsk! Putin está com os oligarcas Russos. Os apoiantes de Putin são a burguesia e os magnatas russos, escória em tudo similar aos oligarcas ucrânianos. Ele serve esses interesses. Talvez por isso ainda não interveio. O KPRF e o RKRP vêm há tempo a pedir uma intervenção mais determinada.
A situação é complexa, e não é necessariamente o inimigo do nosso inimigo é nosso amigo...

A Página Vermelha disse...

Não existe "imperialismo russo em relação à Ucrânia". A Ucrânia, tal como a conhecemos hoje, foi uma invenção do imperialismo alemão, austríaco e francês. A ideia de Ucrânia sempre foi uma ideia relativa a uma região fronteiriça da Rússia. Hoje a noção que se tem de "ucraniano verdadeiro" é o ucraniano que odeia a Rússia!

Há um governo fascista e pró-OTAN que quer introduzir um país soberano em uma guerra civil e estendê-lo ao território russo.

Nunca foi tão fácil escolher o seu lado em uma guerra, de um lado um país que se opõe às investidas da OTAN e de outro um país que abre passagem para o imperialismo da OTAN.

Eu não levo apenas o "imperialismo norte-americano" como você diz, não precisa mentir aqui! Sempre denunciei o imperialismo americano junto com o francês, o alemão e de outros países, não há por que mentir!

Gabriel Victor disse...

A Ucrânia sempre foi um território russo. O que o Putin está fazendo é proteger os cidadãos russos do leste e sul da Ucrânia do fascistas do oeste. Proteger russos é o dever dele.

Z disse...

Cristiano, gostaríame poder contactar con vostede a través dun correo ou outros medios. Un saúdo.

A Página Vermelha disse...

apaginavermelha@gmail.com

Richard disse...

Bem dizer que não existe um imperialismo da Rússia em relação a Ucrânia, acredito que foi um pouco insensato.
Pois se analisar friamente, o que a Rússia fez antes de inicar o "golpe de estado" do Primeiro Ministro Ucraniano, foi imperialista sim, ou você está comigo ou com os europeus.
Porque digo isso, a região onde há as disputas, além de ser uma grande região industrial, tambem está uma parte do parque industrial militar ucraniano que atende, quase que exclusivamente a Russia, isso é fato, mesmo hoje, a Russia tenta diminuir essa dependencia, mas irá demorar um pouco mais.
Se não há imperialismo, então há interesses, de ambos os lados.
A Rússia não está apoiando os rebeldes, somente porque são russos, mas tambem por esta questão de interesses.
Então, porque logo que foi criado a Republica da Novorrussia, após o referendo, a Russia não incorporou assim como logo fez com a Crimeia?
Eu acredito que a pressão do Ocidente com sanções, que no inicio estavam somente ao seleto grupo que apoia o Presidente Putin, passaria a ser contra a Federação Russa, que tem muito a perder assim como a Europa que é seu parceiro comercial.
Desculpas pelo longo comentário
Parabéns pelo seu blog e opinião
Atte
Richard

A Página Vermelha disse...

@Richard

Diferente do que aconteceu na Crimeia, onde as imobiliárias estão obtendo grandes lucros com propriedades à beira do Mar Negro(a Crimeia é um grande resort e A. Kuprin já escrevia sobre isso), eles são parte do Estado russo e adotam o modelo capitalista do Estado russo.

Na Novorrússia as coisas são diferentes, eles acabaram com os cassinos, nacionalizaram várias empresas e tem um programa socialista parecido com o de Hugo Chávez. Em sua composição ideológica lembra em muitos aspectos os revolucionários de Cuba(Fidel não era comunista, mas um nacionalista, como é o General Strelkov, Ministro da Defesa).

A Novorrússia não quer integrar o Estado capitalista russo, por isso não dispõem da mesma ajuda que a Crimeia. Além disso, os russos tinham bases na Crimeia, mas não na Novorrússia.

O movimento revolucionário naquele país demanda o nosso apoio IRRESTRITO, assim como a luta da Rússia contra as pretensões do imperialismo ocidental!