quinta-feira, julho 10, 2014

DENÚNCIA: Xenofobia, machismo e sectarismo, a verdade sobre a extrema-esquerda

Por Cristiano Alves


Mensagem direcionada a mim por um militante da Unidade Vermelha. Thadeu Thurler. O sujeito acredita piamente que "fui humilhado por causa de uma derrota da seleção brasileira", depois diz que serei "mais humilhado com a vitória da Argentina"(ele não sabe que estou torcendo justamente pelo vizinho sulamericano)

Desde a queda do Muro de Berlim e o fim da União Soviética, a esquerda perdeu seu referencial. Em vez de estudar os reais motivos para a derrocada de um sistema que oferecia muito mais perspectivas, estabilidade e esperança para milhões de trabalhadores, muitos simplesmente prefiram se juntar ao discurso burguês e "cuspir no prato que comeu", outros agiram de modo diverso, abraçando teorias ultrapassadas e vacilantes de maio de 68, na França, uma agitação condenada por praticamente todos os partidos comunistas e a Internacional Comunista. No Brasil, onde infelizmente predominou o anarquismo e o trotskismo desde muito tempo, após a morte de grandes líderes marxistas-leninistas, as coisas pioraram, dando margem para movimentos niilistas travestidos de comunistas.
Recordo-me que logo no início da Copa, um militante do PSTU, em meio a um protesto pacífico de operários, gritava histericamente no alto-falante para "mostrar que a Beira Mar é nossa, e não dos gringos". Há algum tempo, um garoto que se dizia da Unidade Vermelha, uma organização de extrema-esquerda, sectária, me acusava de "me prostituir aos gringos", fazia mil e uma acusações. Este "cavaleiro da luta contra a homofobia e o patriarcado", a propósito, fazia acusações machistas contra uma companheira nossa, chamando-a de "piranha". O motivo? Ela, brasileira, como se declara, a despeito de sua origem teuto-ítalo-polonesa, torcia pelo Brasil, o suficiente para que alguns "coxinhas de esquerda" ficassem histéricos, isso por que em sua visão sectária "a Copa foi comprada pelo PT e os governistas e não trazia benefício nenhum para ninguém". Se a Copa foi comprada pelo PT, esses devem estar fazendo reclamações muito sérias ao PROCON! Se eles acham que a Copa "não trouxe benefício para ninguém", eu começo por mim mesmo, ela trouxe mais de R$ 2000,00 de lucro para o autor deste site em apenas 2 semanas, trabalhando como intérprete de russos e finlandeses em Fortaleza, essa soma, a propósito, é mais do que as doações arrecadadas por este site em mais de seus 15 anos de existência! E claro que essa Copa não foi lucrativa apenas para mim, como também para os milhares de brasileiros que a tornaram possível, desde os "bicitaxistas", que tive a oportunidade de conhecer a caminho do Castelão durante o jogo México x Holanda, quanto para os trabalhadores da rede hoteleira, operários da construção, intérpretes e tradutores. Isso sem falar na oportunidade de conhecer pessoas de diversos países do mundo em uma metrópole como Fortaleza, alguns mais abastados, outros simples operários, como muitos brasileiros, só que nascidos em outros países, operários esses hostilizados pela extrema-esquerda como "gringos malditos". 

A "ideologia antigringo" nada mais é do que um neonazismo tupiniquim, uma doença, que precisa ser extirpada do povo brasileiro. Ela é geralmente propagada por pequeno-burgueses ignorantes e irascíveis, desconhecedores de outras culturas, que encontram no ódio "antigringo" uma versão xenófoba e racista "de esquerda". Qual é a diferença entre o "fora pretos", da direita, e o "fora gringos", da extrema-esquerda? Entendemos que absolutamente nenhuma, exceto em seu modus operandi, que no primeiro caso costuma ser mais violento. Qualquer pessoa que abomina "gringos" não tem moral alguma para falar em "luta antirracista" ou em "internacionalismo". O programa da Unidade Vermelha, que chama a mim de "bajulador de gringo" e outras coisas bem mais piores e mais pesadas é um perfeito exemplo de cinismo e hipocrisia, seu site diz que a organização tem "caráter internacionalista", ao mesmo tempo em que seus membros abominam o "gringo maldito".

O programa da Unidade Vermelha também diz abominar o "sectarismo", sendo que na visão de seus membros qualquer brasileiro que, como eu, trabalhou para juntar algumas míseras centenas de reais para ir a um estádio é tido por eles como "rico" e "burguês". Burguês é quem explora o proletariado, eu sou proletário, vivo do meu trabalho, sou tradutor e intérprete, e com base em meu trabalho, autônomo, ganho meu próprio dinheiro que uso para pagar um apartamento alugado, eu traduzo manuais, aplicativos de Facebook, dentre outros textos para companhias e particulares estrangeiros, o que me garante pagamento em dólar. E o que fazem esses garotos dessa organização ridícula? Enquanto eu trabalho honestamente, de forma honrada, estes, de forma suja e desonrada gastam seu tempo com atos de vadiagem e vandalismo, destruindo o patrimônio público e bibliotecas ou então gastando seu tempo no Facebook com montagens ridículas e tentativas de bullying eletrônico, pensando que estão "combatendo um fascista com coprolalia", contrapondo meus argumentos com comentários sobre meu apartamento, sobre minha roupa ou sobre minha vida pessoal. Estes são os grandes "arjumentos" desses militantes, em grande parte crianças que ainda fedem a cueiros. Qualquer um que experimente visitar o perfil que os membros da Unidade Vermelha mantém no Facebook perceberá que se trata de garotos de 16 a 23 anos no máximo, que acham que por terem atuado em um quebra-quebra e xingado PMs de "fascistas" são campeões revolucionários. Um deles, um certo Daniel Montserrat, ex-recruta que pelo visto nada aprendeu no Exército, outro dia postava um "desabafo" em seu Facebook, dizendo que levantava cedo para erguer barracas e ajudar populares contra despejos da Polícia Militar, enquanto ninguém fazia nada, só ficava falando de teoria e sua organização era mais revolucionária por isso e outros bla bla blas. Aparentemente esse garoto não tem noção de que o Brasil inteiro não fica no Rio! Mesmo que muitos quisessem ajudar tais famílias, nem mesmo teriam como, estando muitas vezes engajados em outras lutas. O fato é que enquanto a maioria dessas crianças se gabam de "serem mais revolucionários que todo mundo", muitos de nós estavam lutando contra a flexibilização da CLT enquanto esses moleques estavam saindo das fraldas!

Recordo-me que logo antes do início da Copa, um fake chamado "Maia Ruiz" me adicionou sem dizer uma só palavra, talvez para roubar fotos pessoais minhas para montagens para difamar minha pessoa, e para me adicionar em "Eventos" facebookianos relacionados com atos anticopa, ou seja, quebrar vidraças de agências da Caixa e Banco do Brasil ou virar camburão de lixo para fazer uma "revolução do bicho". O fake, questionado inúmeras vezes por mim sobre o motivo pelo qual me adicionara, não dera uma só resposta sequer, o que nos leva a crer que seu objetivo era apenas fazer spam. Era engraçado ver o dono do fake reclamar que os trabalhadores queriam fazer manifestações cedo da manhã para ir assistir aos jogos da Copa da tarde, o que demonstra que só alguns sociopatas queriam quebrar prédios públicos(incluindo bibliotecas).

Montagem feita por um militante da Unidade Vermelha, Victor Gallani

Um certo Victor Gallani, um garoto de seus 18-19 anos, depois que o excluí de um grupo de Facebook que eu moderava, por provocações baratas a outros membros no grupo, chorou e juntou toda a sua turminha para me chamar de "fascista" numa montagem feita por seus coleguinhas de organização. Ele se gabava de ser "ultrarrevolucionário" e dizia que contra ataques da direita ele não precisa de polícia, pois tem seus "manos"(do tráfico!) para protegê-lo. Um dos compartilhamentos desse indivíduos mostra Stalin em meio a um mar de cannabis dativa, a maconha, uma droga, um veneno do ocidente criado para destruir os tralhadores! O sujeito abertamente se gaba de ser usuário de drogas, isto é, de ser um financiador do tráfico, uma postura abominável que talvez o levaria a sérias penas na União Soviética da época de Stalin. É este tipo de tolo que existe nessa organização.

Nas redes sociais é bastante comum que extremistas de esquerda se unam a extremistas de direita para difamar e caluniar comunistas e outros progressistas. Membros da Unidade Vermelha já foram flagrados em conluio com grupos de extrema-direita, um de seus simpatizantes(ou membro) de nome Maurício Alves Netto, reportadamente flagrado com postagens racistas, machistas e anticomunistas, que o diga! Recentemente, um dos associados à organização que diz "combater o machismo" chamou uma companheira nossa, Angela Sztormowsky, de "piranha". Ela também já foi xingada com termos como "vadia gaúcha" e outros termos bem mais pesados. Mesmo sendo uma advogada que trabalha por conta própria, mesmo já tendo morado em um porão úmido e vivendo em uma morada simples, os sectários de extrema-esquerda já a chamaram de "burguesa". Isso por que na concepção de um extremista de esquerda "burguês" e "fascista" são qualquer pessoa que não se encontra em sua mesma miséria moral e intelectual! Se alguém trabalha honestamente e tem sucesso, isso já lhes é o suficiente para despertar o seu ódio "revolussionário". Suas ideias não se baseiam em pressupostos lógico-racionais, não se baseiam em estudos, em uma luta, mas tão somente no ódio, na vadiagem, no vandalismo! A camarada Angela já promoveu a usucapião para ajudar sem-tetos, ela construiu, garantindo-lhes a propriedade. E o que Black Blocks, Unidade Vermelha ou outros extremistas fizeram? Nada! Apenas destroem a propriedade! São meros vagabundos sem objetivo ou rumo algum! Eles nada constroem, eles apenas destroem, não devem sequer serem vistos como uma organização de luta, mas como uma quadrilha ou uma turba cujo tratamento mais devido seria não o policial, mas sim psiquiátrico! 

Esses hipócritas adulam a camarada Angela e alguns como o tal Matheus Gallani, mesmo chegam a fazer propostas pessoais a ela, mas que diante da rejeição da camarada, imediatamente a "musa do comunismo" como adoram chamá-la se transforma na "patricinha burguesa", na "piranha" e em outras coisas piores, tal é o modus operandi desses "combatentes do machismo". Isso por que em sua concepção uma mulher só é revolucionária se forem submissas e subservientes a esses, caso contrário são "burguesas". É assim que eles explicam o seu fracasso pessoal, Narciso acha feio tudo que não é espelho. Com o autor deste artigo agem de modo análogo, primeiro enviam-me me mensagens ao estilo "camarada Cristiano, parabéns por A Página Vermelha, sou um admirador do seu site, você é um grande marxista-leninista", mas daí se num espaço pessoal que é um álbum de fotos em rede social eu posto uma foto preparando um ovo com azeite de oliva de modo em pão integral de modo diferente, rapidamente eles se enfurecem e vem me chamar de "burguês, fascista, nazista, etc". Se escrevo 500 artigos denunciando o imperialismo e o racismo e uns 10 denunciando o movimento LGBT, já é o suficiente para dizerem que virei um "nazista homofóbico", chega a ser ridículo! É por isso que procuro evitar ao máximo manter tais elementos longes do meu espaço pessoal, pois além de sectários e ridículos, eles politizam até uma foto de ovo frito! Assim do dia pra noite o "sábio marxista-leninista" se torna um "fascista homofóbico". Ridículo!

Mensagem de teor racista de um simpatizante da Unidade Vermelha, Maurício Alves Netto, conhecido tanto pela direita, quanto pela esquerda e pelo Movimento Negro, por postagens racistas


Bastante ocupado com trabalhos nos últimos dias, bem como me preparando para a recepção de um chefe de Estado, fui alertado de passagem por alguns camaradas que me informavam agora da nova campanha caluniosa de um certo Bruno Torres, da Unidade Vermelha, contra a minha pessoa, alegando que sou "homofóbico". Sou tão "homofóbico" que hoje até resolvi financiar um homossexual assumido, Ney Mato Grosso, ao comprar um ingresso para o seu show no Ceará Hall(confesso que o fiz mais por insistência dos meus pais, que queriam estar comigo no show, apesar de reconhecer o talento do artista). Jamais tive problema em qualquer lugar com pessoas de tendências sexuais opostas, o que não me obriga a apoiar a reificação de seus vícios. Se não querem ser naturais, isso é sua escolha pessoal, desde que não fiquem fazendo propaganda de suas preferências em público, desde que não levantem suas bandeiras coloridas. Nós detestamos liberais, sejam hetero ou homossexuais! É engraçado que esses que me atacam de "homofobia" ironicamente dizem que repudiam "a degeneração moral que o capitalismo tenta impor a nossa sociedade", e são esses que vem me chamar de "homofóbico" e de "reacionário" quando falo em moral socialista e combato as teses uranistas embasado no pensamento marxista.

Falar da extrema-esquerda é falar de crianças que nada sabem sobre o que defendem! A juventude de extrema-esquerda é uma desmoralização total, uma piada nacional muito bem retratada no primeiro dia da Copa, quando um moleque foi retirado da manifestação pelo pai. Eles não ingressaram na esquerda "por que querem justiça social", eles entraram na esquerda por problemas familiares, por frustrações pessoais e sexuais, encontrando em uma ideia popular uma válvula de escape. A extrema-esquerda nada constrói, apenas vive da destruição, do caos... e da inveja! Não nos preocupa o que esses degenerados pensam ou deixam de pensar de nós, vaia de gente medíocre para nós é elogio, não vão nos intimidar!

6 comentários:

A Página Vermelha disse...

Esse comentário foi postado no artigo errado, repasso-o para cá:

Por Cristiano

Errata, o citado "Matheus Gallani" se chama na verdade "Victor Gallani".

De acordo com informações recebidas por leitores do artigo, de primeira mão, a citada Unidade Vermelha foi fundada por um certo Rodrigo Dantas, após sair do PCB frustrado por não ter sido eleito vereador pelo partido.

A falha do seu oportunismo político o levou a criar uma organização com nítidos, porém escusos, interesses eleitoreiros.

A Página Vermelha disse...

Por Anna Paula Figlino, postado em
https://www.blogger.com/comment.g?blogID=32665152&postID=3656024166780270725

Eu e o Bruno nos conhecemos no começo de 2012 e criamos juntos o Vermelho à Esquerda... por um bom tempo eu e o Bruno praticamente namorávamos, mas só nos conhecemos no CONUNE de 2013, onde conheci também o Rodrigo Dantas. O Rodrigo Dantas só saiu do PCB em Pernambuco porque não conseguiu ser eleito vereador em uma cidade vizinha de Recife. Ele e o Bruno se conheceram em um determinado ato, se bem me lembro, contra o aumento das passagens de ônibus, e passaram a manter contato. Nessa época, o Bruno estava bem próximo do PCB, e o Rodriigo Dantas, tendo acabado de sair, passou a fazer a cabeça do Bruno para que não entrasse. Fopi então que, não demorou muito, fundaram a Unidade Vermelha, e passaram a usar das táticas mais sujas quando os conheci pessoalmente para que eu fosse recrutada. O Bruno chegou a me prometer um cargo alto na recém criada Unidade Vermelha, dizendo que seria melhor eu ter um cargo alto numa nova organização que seria promissora e clandestina do que em um partido registrado onde eu era apenas ainda militante de uma das frentes de massa. Acho lamentável que o Bruno tenha tomado esse caminho, quando o conheci ele era um militante que se esforçava muito nas condições em que vive para fazer todo o trabalho de base que pudesse... Ele mudou drasticamente depois da criação da Unidade Vermelha e não parecia que eu tinha mais o mesmo companheiro, cortei relações e, mesmo assim, ele veio para a cidade de São Paulo em agosto do ano passado, quando ficou um pouco mais de um mês na casa de outro membro da Unidade Vermelha, o Victor Gallani (autor da imagem que difama Stálin). Os dois passaram a ir frequentemente para a faculdade que eu estudo, com o pretexto de que foram lá "só pra ver uma aula por aqui". Durante essa estadia em São Paulo, o Bruno foi detido em um ato contra o governador do Estado (Geraldo Alckmin), e ficou dois dias na delegacia, chegou a ter seu cabelo raspado. Nessa época, quando eu tinha recusado definitivamente a Unidade Vermelha e os denunciava por terem aparelhado a página do Vermelho à Esquerda, cheguei a ter meu nome numa lista de "inimigos do povo" feita pelos militantes da UV. Isso pra mim deixou claro que os rapazes que eu havia conhecido pessoalmente no CONUNE não passavam de uns machistas aproveitadores que não aceitaram que eu mantivesse meus posicionamentos políticos independentemente de qualquer chantagem emocional que eu tenha sofrido. Quando detido, o Gallani misteriosamente lembrou que eu não era tão "inimiga do povo" quanto dizia tal organização, e veio me implorar no chat do facebook para que eu fosse até a delegacia em que o Bruno ficou detido para depor em favor deste dizendo que ele não veio para São Paulo por motivos de militância política, veio porque sou namorada dele e ele queria passar um tempo aqui", assim eu inocentaria a pessoa que, tendo sido manipulado pelo Rodrigo Dantas, transformou uma amizade em puro interesse político, e passou a me subjugar, recorrendo a mim apenas quando fosse útil. Me sentia traída.
Enfim, o que tenho a acrescentar é que essa Unidade Vermelha cresceu totalmente com base no seu desprezo por qualquer base teórica, se dizendo marxistas-leninistas mas apoiando a participação de anarquistas, trotskistas, e agindo publicamente em atos sem o mínimo de "unidade" pretendida no nome. São espontaneístas, tendo apenas o destaque de lideranças ilegítimas que se colocam como pessoas que têm mais base do leninismo, mas agem com infantilidade.
Por fim, vou deixar claro que respeito muitos militantes da Unidade Vermelha por acreditar que só estejam ainda nesta organização por ingenuidade, mas que têm muito potencial para se tornarem marxistas-leninistas e ajudarem de fato no avanço da luta de classes.

A Página Vermelha disse...

Eu não me surpreenderia se algum esquerdinha desses viesse aqui falar que sou fascista por causa do meu chapéu ou que sou "russófilo". É melhor ser "russófilo" do que um machista e destruidor do patrimônio que o nosso povo constrói!

Eu queria que pelo menos um membro de tal unidade tivesse a coragem de vir aqui e dizer em que trabalha, um trabalho que não seja "aproveitar-se dos CAs ou DCEs universitários", se é que bem me entendem.

Mas não se pode esperar coerência de extremistas, aqui nesse site já me acusaram de "receber dinheiro da Coreia do Norte", "receber dinheiro da Rússia", "receber dinheiro de Cuba", russófilo(a despeito dos artigos que exaltam a luta de vários povos), etc.

Podem ser certeza de uma coisa, se eu recebesse dinheiro de qualquer governo, faria questão de postar aqui em minha página e mesmo em redes sociais só para esfregar na cara desses vagabundos e arruaceiros, que ao contrário deles eu construo algo e tenho competência para alguma coisa!

Por enquanto apenas limitar-me-ei a informar que fui escalado para ser o tradutor de um grande evento internacional.

A Página Vermelha disse...

Eu trabalho como tradutor, sou oficial da reserva do Exército Brasileiro, tendo servindo à minha pátria e seu povo, inclusive na organização do processo eleitoral, também tenho orgulho de ter ajudado vários operários petroleiros no SINDIPETRO-RN. Agora eu quero ver que serventia para esse país e para a classe operária tem ou terão uma cambada de vagabundos que está mais interessada em "fuxico" do que em construir alguma coisa positiva para esse país e/ou a classe operária mundial!

Stolich Naya disse...

Só hoje vi esse texto que me chamou a atenção. A Maia Ruiz não é fake. É uma feminista radical que odeia homens e que já tretou com o Rodrigo Dantas. Tá lá no perfil dela essa treta ocorrida em setembro. Rodrigo Dantas é acusado por ela e por diversas feministas de ser um agressor de mulher. Não sei se isso é verdade, mas é o que todas as feministas espalham. Parece que ele já excluiu o próprio perfil de tamanha vergonha que andava passando no face.

Stolich Naya disse...

taí a nota deles sobre a expulsão de bruno torres e rodrigo:

http://unidadevermelha.com.br/nota-publica-sobre-a-expulsao-de-dois-ex-dirigentes-da-unidade-vermelha/