sexta-feira, abril 18, 2014

DENÚNCIA: Internauta racista e misógino anda solto pelas redes sociais


Por Cristiano Alves


Há um indivíduo um tanto excêntrico tentando "causar" nas redes sociais. O dito cujo se diz "marxista-leninista" e admirador de Olavo de Carvalho. Trata-se um indivíduo que se apresenta como Maurício Alves Neto, ou "Anjo Nacionalista", como ele mesmo já se intitulou.

O dito cujo se tornara conhecido no velho Orkut por postagens de teor racista num grupo chamado Economi@ Brasileir@, onde normalmente não era levado a sério por outros participantes. No Facebook ele misteriosamente "converteu-se ao comunismo" e era conhecido por querer "causar" em grupos de discussão. Após conseguir se infiltrar em grupos de esquerda, Maurício passou a pegar informações pessoais dos membros para depois difamá-los e injuriá-los em outros círculos. O usuário em questão se diz "inimigo do pós-modernismo" e depois "apoiador do FEMEN", ora diz seguir Stalin, ora diz seguir Olavo de Carvalho, ora se diz nacionalista, ora se diz comunista, ora acusa o autor desse grupo de racismo, ora diz que "negros são sub-raça". Numa de suas postagens ele se diz admirador confesso do tirano alemão Adolf Hitler.

O sujeito em questão usou-se de seu perfil na rede social Facebook para caluniar e difamar este site, que segundo ele quer "impor Mozart e odeia Dalesta"(uma artista que o autor dessa página sequer conhece), dentre outras inverdades difundidas na rede social. Um dos crimes mais recentes deste neonazista infiltrado em grupos de esquerda foi dizer que uma das articulistas de A Página Vermelha, Angela Sztormowsky, militante antirracista, é uma "gaúcha vadia e promíscua". Maurício é conhecido por suas fotos de paletó e gravata com óculos escuros, dentro de casa.

A Página Vermelha toma agora medidas legais a fim de colocar esse indivíduo atrás das grades.


Algumas capturas de tela do "Anjo nacionalista":





4 comentários:

Roberto disse...

Cristiano, esse cara do post pelos prints, com camisa da seleção da Alemanha e pelo discurso confuso tentando "confundir" é mais um desses filonazistas tupiniquins. Só que é até ridículo chamar isso aí de nazi pois na verdade 90% desses malas sem alça que se rotulam como "nazis" no Brasil não passam de um bando de fascistas e/ou rascistas com discurso confuso pois não existe uma base social pra eles pregarem essas asneiras, eles vão falar de pangermanismo e "supremacia étnica alemã" num país majoritariamente composto por descendentes de portugueses, descendentes de índios, de negros e de outros povos (inclusive de povos que foram perseguidos pelos nazis)? É vexatório ver a pregação desses elementos. Só que essa infiltração dele em grupos de esquerda não foi aleatória (comento abaixo, não sei se a mensagem chegou pois não sei se os comentários estão moderados, por isso estou enviando de novo).

Roberto disse...

Havia no Orkut alguns grupelhos que se auto-denominam "Third Position" (pode ler o verbete da Wikipedia em inglês, é uma espécie de fascismo que diz que não é "fascista") e ficavam se infiltrando em comunas/grupos de esquerda, vi vários lá assim, embora pelo discurso desse cidadão aí ele é mais germanófilo pró-nazi mesmo mas eles andam tendo arranca-rabo com aquela direita neocon olavete, daí o suposto não-sectarismo deles com grupos de esquerda, principalmente os que eles acham que são nacionalistas (de esquerda).

Parece que anda rolando uma transição desses grupos fascistas brasileiros e agora os caras estão idolatrando um fáscio russo que você já deve ter visto (Dugin) em contraposição dessa extrema-direita neoliberal olavete/vejista/Rede Globo.

Parece que eles se cansaram do discurso pró-EUA neocon anti-comunista (e anti-petista) do tal Olavo de Carvalho e cairam de cara nesses agrupamentos pró-Dugin, Julios Évola e cia. Na Europa chamam isso de "Nova Direita" (http://en.wikipedia.org/wiki/Nouvelle_Droite), e tem outros nomes dessa nova direita fascista como um francês chamado Alain de Benoist).

Mas como dizia no primeiro comentários, vários deles se alojavam numa comuna de nome Nazbol (relativa ao Dugin, "nacional-bolchevismo") e alguns defendiam o PT, ironicamente, inclusive tinha um que parece que estava filiado ao partido (absurdo aceitarem um fascista dentro do partido por simplesmente não terem ideia do que se trata esses bandos fascistas novos) e outro que circula pela rede mas não me recordo do nome.

Inclusive tem um "anti-clerical" que acho que já comentou aqui que circula tanto em grupos de esquerda como em sites "revis", mas se trata de um "revi"/extremista de direita querendo causar confusão (ou meramente um troll perturbado querendo ver o circo pegar fogo, causar confusão já que fica misturando ideologias).

É pro pessoal abrir o olho pois isso pode ser infiltração pesada ou um ataque do que se chama "lobo solitário" (os fáscios que atuam sozinhos).

Roberto disse...

Não sei se você já deu uma olhada nos principais sites "revis" da rede em português, mas é cheio desse tipo de figura comentando neles. O perfil ideológico dos caras é mais ou menos esse: são germanófilos pró-nazi (ou não, o fato é que só faltam arrancar o saco da Alemanha puxando, nada contra a Alemanha mas não nutro idolatria a países mesmo, principalmente nesse caso desses bandos fascistas), reaças, possuem um discurso anti-comunista tosco, são adeptos de teoria da conspiração, rotulam tudo de sionismo, talmudismo etc e seguem aquela máxima dos nazis da crença "judeu-bolchevique".

Uma parte é integralista, tem umas facções germanófilias pró-nazi no integralismo e outra parte que não nutre muitos "amores" pela Alemanha ou coisas não-brasileiras, além dos gatos pingados idóaltras de Hitler e fascistas toscos com discurso raso e confuso.

O pior é que a esquerda em geral no Brasil não se posiciona firme contra isso (uma parte dela), levam na brincadeira e taí a porcaria se alastrando, principalmente os psolistas e a turma do PSTU. Teve até psolista trosko "saudando" a "revolução popular" (eufemismo pra neonazi) da Ucrânia, surreal a cena.

Luna IV disse...

Esse guri tem problemas mentais(não ironicamente) não tem o que se fazer.