quinta-feira, dezembro 12, 2013

HISTÓRIA: A glória de Zoya Kosmodemyanskaya

Por Angela Sztormowsky
Com a colaboração de Cristiano Alves

Em tempos em que parte da esquerda é guiada por falsos ídolos, entorpecida pelo "veneno do ocidente", isto é, os narcóticos, Zoya Kosmodemyanskaya é um modelo para qualquer real comunista que deseja servir ao povo trabalhador e por ele lutar. Ela é um modelo daquilo que a mulher comunista deve ser, destemida e íntegra!

Pintura que retrata a glória de Zoya Kosmodemyanskaya ante a direita fascista 

Ao longo da história são muitos os que sacrificam-se de forma abnegada por um povo, uma fé, por uma ideia. Pessoas podem ser assassinadas, torturadas e até esquartejadas. Mas quando o opressor imperialista acredita ter destruído essa ideia, muitas vezes ela renasce ainda mais forte, transcendendo a existência física daquele ou daquela que a defendeu estoicamente. A história também nos mostram que as mulheres acabam pagando um preço mais alto na luta por ideias justas, assim Rosa Luxemburgo não apenas foi presa, como sofreu com golpes de coronhada e baioneta até a sua morte por sociais-traidores, Olga Benário foi deportada para a Alemanha nazista enquanto grávida até morrer num campo de concentração fascista. Há uma história, entretanto, que poucos conhecem, de uma jovem honrada cujo nome inspira todos aqueles que declaram guerra ao fascismo, um nome que vem do norte, Zoya Kosmodemyanskaya.

A jovem russa descendia de uma família de padres, razão pela qual herdou o sobrenome "Kosmodemyanskaya", isto é, garota de "Cosme e Damião"(na Rússia o sobrenome modifica-se conforme o sexo do portador), santos gêmeos venerados pela ortodoxia, catolicismo, umbanda, candomblé e outras religiões, cuja hagiografia nos diz que não sofreram nem pela água, nem pelo fogo, nem mesmo pela cruz, até morrerem decapitados. O nome de Zoya Kosmodemyanskaya tornou-se um símbolo de uma época, ruas e escolas foram batizados com seu nome. Mas quem foi Zoya Kosmodemyanskaya? Heroína ou criação da "propaganda comunista"?


A jovem soviética nasceu na Rússia e por seus feitos tornou-se uma das mais veneradas heroínas da União Soviética. Sabe-se que durante seu tempo de escola era uma leitora ávida, que lia livros que iam além do currículo escolar, dentre seus autores favoritos figuravam nomes como Tolstoy, Pushkin, Lermontov, Byron, Miguel Cervantes, Shakespeare e Goethe. Num de seus cadernos ela escreveu que "nas tragédias de Shakespeare, a morte de um herói está sempre acompanhada de um triunfo de uma causa moral maior". Ela também era uma apreciadora da música de Beethoven e de Tchaykovsky, sendo sua canção favorita a Simfonia nº 5 deste último. Comunista, ela ingressou nos diferentes órgãos da juventude comunista soviética. Moralista, no sentido socialista dessa palavra, ela zelava pelas virtudes comunistas que cada um deveria demonstrar. Ela inquietava-se com egoístas, aduladores e pessoas não sinceras.

Tendo ingressado no Komsomol em 1938, com o advento da IIGM, em 1941, ela foi voluntária para uma unidade partizan(guerrilheira) de inteligência da Frente Ocidental, a Unidade Diversionária 9903. Sua tarefa não seria nenhum pouco fácil, uma vez que teria de atuar atrás das linhas inimigas, isto é, onde os alemães estavam. Para se ter uma ideia do nível de coragem exigido dos jovens comunistas, exigia-se camaradas que não tivessem medo de pular de paraquedas, atividade de grande risco, que na época era uma novidade. Quem poderia imaginar um salto das mais altas altitudes e sair vivo após essa "queda" dos céus?

Zoya nada temia, em nome de suas ideias comunistas, da defesa de um povo honesto e trabalhador. Assim como ela, milhares de comunistas compareceram aos comitês do partido e das Forças Armadas para se alistar como voluntários. Segundo depoimento de Shelepin, entrevistador de Zoya que mais tarde se tornaria líder dos sindicatos e renomado membro do KGB, Zoya não temia alturas, nem pular de paraquedas, falava alemão(além do russo), era dotada de força de vontade e corajosa. Após o envio de sua ficha para órgãos superiores, seu perfil foi aprovado para o grupo diversionário que atuaria no vilarejo de Petryschevo, ocupado por fascistas alemães. Sua missão seria minar estradas e principalmente incendiar residências e outros estabelecimentos utilizados pelas forças alemãs. A decisão da jovem comunista, a propósito, foi tomada sem comunicar a seus pais.

O grupo de Zoya, atuado sob o frio extremo do inverno russo, logrou minar várias estradas, o que arruinaria transportes e vidas fascistas. A mais arriscada parte das missões, entretanto, envolvia o incêndio de casas usadas pelos alemães, feita de modo secreto, espreitando-se durante a noite. Numa dessas missões, um camarada de Zoya foi capturado pelos fascistas. Preso e ameaçado, ele entregou ao inimigo Zoya e outro companheiro seu. Os nazistas, sabendo do que estariam por vir, prepararam uma cilada para Zoya. Quando ela preparava-se para incendiar uma casa, os fascistas rapidamente a capturaram. 

Sob captura dos alemães, Zoya nada falou sobre suas atividades. Os ocupantes fascistas estavam furiosos, ela incendiara edificações inteiras e também estábulos para os cavalos dos nazistas, meio de transporte utilizado com frequência no inverno, quando as viaturas alemãs tornavam-se inúteis por causa do inverno russo. Zoya, segundo depoimentos de seus companheiros, inclusivo do que a traiu, dissera "matem-me, eu não contarei nada". Furiosos, os fascistas passaram a torturar Zoya, inclusive chicoteando a guerrilheira comunista com as costas nuas. Segundo um editorial do Pravda, foram 200 chicotadas de cinturão(espessos nos tempos da IIGM). Vassiliy Klubkov, o traidor de Zoya, alega que sua companheira foi torturada de forma selvagem. Por sua traição, ele teve a sua vida poupada, e regressando ao território controlado pelos soviéticos, ele confessou a sua traição a Zoya Kosmodemyanskaya e à sua própria pátria, solicitando que, por isso, fosse punido pelo tribunal, mas tivesse a sua vida poupada. Sua solicitação foi em vão, após ser processado, julgado e condenado, a sentença de V. Klubkov determinou a pena capital em desfavor deste, executada pouco tempo depois por fuzilamento. Klavdya Miloradova, camarada de batalha de Zoya, alegou em documentário que até hoje não consegue entender como alguém num momento tão sério conseguiu acovardar-se e entregar sua companheira, no documentário "Zoya Kosmodemyanskaya, pravda o podvige".

Após bárbaras sessões de tortura, Zoya Kosmodemyanskaya, mesmo tendo sido traída, não traiu a seus companheiros, nem ao seu país, ela tomara a decisão mais importante de sua vida, a de morrer pelo seu país em nome da liberdade e da destruição das forças do fascismo alemão. Zoya não informou aos alemães nem mesmo o seu verdadeiro nome. Assim como Lenin e Stalin, Zoya empregou um pseudônimo ante os alemães, "Tanya", honrando Tatiana Slomahina, heroína comunista da Guerra Civil russa. Deixada sem comida e sem água, Zoya foi despida(em plena neve), e arrastada nua por longas distâncias até que seu carrasco sentisse frio, mesmo agasalhado. Humilhada, seus lábios estavam escurecidos e ressecados. Depois puseram-lhe uma roupa, ela pediu água, o que lhe foi negado. A jovem comunista de apenas 18 anos foi então condenada à forca. Os alemães penduraram-lhe uma placa com os dizeres em russo: "Incendiária de casas". Isso foi feito para que os camponeses não combatentes que cercavam os estabelecimentos alemães aceitassem a decisão alemã e passassem a enxergar como criminosa não o poder hitleriano, mas sim a guerrilheira, uma prática comum aos fascistas brasileiros nos tempos da ditadura militar, que visava levantar o povo não contra seus opressores, mas contra quem os combatia.

"Tanya", ante a forca, vestida em trapos e com uma placa pendurada em seu pescoço, fez um discurso ante todos que a assistiam, inclusive os fascistas: "Camaradas, a vitória estará conosco. Soldados alemães, entreguem-se enquanto não é tarde. A União Soviética é invencível e não será vencida. Quanto mais vocês nos enforcarem, mais se levantarão, somos 170 milhões. Atrás de mim camaradas virão". A última parte foi dita já com a corda no pescoço, na qual ficou pendurada. Mas o martírio de Zoya não se encerrava por aí, retirada da forca pelos alemães, estes, bêbados, puseram seu corpo na neve e esquartejaram-no a golpes de machado, enquanto riam e fotografavam seu corpo despido e despeçado, deixado na neve para exposição pública por semanas, e eternizado por toda a história. Os alemães guardavam essas fotos como "troféu", como motivo de júbilo.

Foto dos restos mortais de Zoya na neve, após ser enforcada e esquartejada pelos fascistas alemães

Em pouco tempo, a notícia e também as fotos correram não apenas as zonas ocupadas pelos alemães, dentro de alguns meses elas chegaram ao território soviético, chegando mesmo ao conhecimento, por meio de jornais e relatórios àquele que dirigia e inspirava milhões na luta anti-fascista, um homem do Cáucaso, georgiano temido e odiado pelos nazistas, Iósif Djugashvili, isto é, o premier e agora também Marechal da União Soviética, Stalin. O sofrimento da jovem de apenas 18 ganhou um interesse especial por parte de jornalistas e militares comunistas.

Durante a ofensiva antifascista contra as tropas alemães de Petryschego, militares comunistas pintaram tanques e aviões com a inscrição "Por Zoya Kosmodemyanskaya". Como bem nos informa o professor doutor Anatoliy Ponomaryov, é um fato conhecido que, quando iniciou-se a ofensiva contra as forças do nazista Ryuder, após descoberto o número da unidade militar alemã que martirizou a partizanka soviética, pela primeira vez na história da guerra, Stalin emitiu uma ordem para que após a destruição da unidade hitleriana, oficiais e comandantes "não devem ser presos, apenas fuzilados", isto é, mesmo oficiais e comandantes que se rendessem! 

Quando a unidade de carrascos alemães foi finalmente destruída, um sargento gritou em pânico, "não fui eu, foi Ryuder". Todavia, nem ele e nem mesmo o fotógrafo de Zoya foram poupados. Em sua mochila de campanha foram encontradas 5 fotografias. Anos mais tarde seria encontrada ainda uma sexta-foto, que informaria a exata localidade onde se deu a execução, tendo lá sido construído um obelisco. 

Monumento a Zoya no metrô de Moscou

O martírio de Zoya Anatolyevna Kosmodemyanskaya foi um ato de barbárie, de selvageria fascista, ato esse que não seria aplicado apenas contra Zoya, não apenas contra guerrilheiros, como também contra cidadãos pacíficos, em diversas localidades. Esses atos, não apenas foram testemunhados como também filmados e até fotografados pelos próprios nazistas, que se divertiam ao sorrir e debochar da desgraça de um povo. Esses "humoristas de araque" acabaram pagando um preço muito alto por seus crimes depois, até a completa destruição das forças fascistas em 1945. Ao contrário do que tentam alegar os apologistas dos crimes do nazismo, mascarados ou não, durante a ofensiva dos comunistas soviéticos nenhum só alemão foi enforcado! Acerca dos crimes alemães na União Soviética, um oficial alemão falou certa vez: "se eles(os soviéticos e poloneses) fizessem com nosso povo pelo menos 1% do que fizemos com eles durante 6 anos, em questão de semanas não restaria um só alemão vivo".

Durante anos perdurou a dúvida se a garota executada realmente seria Zoya Kosmodemyanskaya ou Lilya Azolina, garota que também foi ao front e se parecia muito com Zoya Kosmodemyasnakay. Uma análise microscópica feita por especialistas de institutos de investigação judicial, analisando fotos pessoais de Zoya e da garota enforcada chegou à inexorável conclusão de que a garota enforcada era de fato Zoya Kosmodemyanskaya. 

Assim como Zoya, 27 milhões de soviéticos teriam suas vidas ceifadas pelos fascistas, destes 27 milhões, cerca de 9 milhões eram comunistas convictos. Sabe-se que dentre os homens, restou menos de 3% daqueles que nasceram em 1923. Muitas de suas companheiras de seu destacamento diversionário foram mortas, uma teve as mães arrancadas por uma mina e poucas sobreviveram, sendo Klavdya Miloradova uma delas, detentora da famosa "Ordem da Guerra Patriótica". Em fevereiro de 1942, Zoya Kosmodemyanskaya foi a primeira mulher condecorada, post-mortem, com o título "Herói da União Soviética", representado por uma estrela dourada. Ela também foi condecorada com a Ordem de Lenin. A Igreja Ortodoxa Russa estuda a canonização da lendária guerrilheira comunista, símbolo da luta contra a tirania e a opressão fascista.

Monumento a Zoya Kosmodemyanskaya, em Tambov, em frente a uma igreja ortodoxa



Fontes de consulta:

- Documentário "Zoya Kosmodemyanskaya, pravda o podvige": http://www.youtube.com/watch?v=4tLnARJkVK4
- Artigo Zoya kosmodemyanskaya stanet svyatoy? Publicado em: http://kp.ua/daily/240908/56100/
- Artigo Podvig Zoi Kosmodemyanskoy. Publicado em: http://nkosterev.narod.ru/mos/pvd/petr_kr.html

3 comentários:

A Página Vermelha disse...

Em tempos em que os comunistas são guiados por falsos ídolos, são entorpecidos pelo "veneno do ocidente", isto é, os narcóticos, Zoya Kosmodemyanskaya é um modelo para qualquer real comunista que deseja servir ao povo trabalhador e por ele lutar.
Ela é um modelo daquilo que a mulher comunista deve ser, destemida e íntegra!

José de Miranda disse...

Brilhante história, heroína de fato e de direito. Mas como sempre, em qualquer tempo e espaço, existem os traidores!!! Bem que você poderia escrever um artigo sobre o golpe de 64... Meus parabéns Página Vermelha pelo artigo.

Pedagogia do Futuro disse...

Zoya tem uma história similar à de Santa Joana d'Arc, por isso foi digna de ter seu monumento em frente a uma igreja ortodoxa. Joana d'Arc também foi defensora de seu povo francês, por isso lutou contra a invasão inglesa que ocorreu na França. Infelizmente ela foi traída, capturada pelos ingleses e queimada na fogueira pela inquisição inglesa, porém anos mais tarde seu processo foi revisto, e ela foi canonizada em 1920, pelo então Papa Bento XV, que pelo que conheço a história Papal, foi melhor do que Pio XII, pois enquanto este foi conhecido como o papa de Hitler, o outro foi o Papa da Paz, que lutou pelo fim da primeira guerra mundial. Sim Joana d'Arc foi uma heroína do povo francês, de origem humilde e camponesa. do mesmo modo como ela fez a resistência contra os ingleses, Zoya, Kosmodeyanskaya, cujo sobrenome significa Cosmedamião, foi uma mártir que lutou contra a invasão nazista, e foi martirizada pelos inimigos, do mesmo modo como Santa Joana d'Arc. Por isso Zoya não merece somente aquele monumento em frente àquela igreja ortodoxa, merece ser canonizada pela Igreja Ortodoxa, pois foi tão cristã quanto Santa Joana d'Arc.